sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Francisco Souto Neto: LEMBRANÇAS DO CÁRCERE MAMERTINO E SUA CRUZ INVERTIDA


Jornal Centro Cívico – Ano 9 – Agosto/Setembro 2011 – Nº 86
Jornalista responsável: Maurício Grabowski

Página 15:


Capa:



LEMBRANÇAS DO CÁRCERE MAMERTINO E SUA CRUZ INVERTIDA
Francisco Souto Neto

Segundo antigo ditado, uma vida inteira não é suficiente para conhecer Roma. Depois de algumas viagens à Cidade Eterna, o turista que já visitou as suas principais atrações sente aumentar uma inquietação ao perceber que as particularidades da capital da Itália, ligadas a uma história de quase 3000 anos, são incontáveis, e cada vez mais fascinantes. Se alguém viajar acompanhado de familiar ou amigo, é sempre necessário planejar com antecedência os locais que desejam conhecer, debater as opiniões de todos os participantes, e estabelecer as prioridades.
No último passeio que fiz a Roma, que foi na companhia de Rubens Faria Gonçalves, tínhamos ambos o propósito de conhecer o Cárcere Mamertino, também denominado Cárcere Tuliano, uma prisão subterrânea que já existia no 1º século depois de Cristo. São Pedro e São Paulo estiveram ali aprisionados, além de enorme número de importantes personalidades de várias eras, tais como reis, governadores, senadores, ministros. Não se tratava de um lugar para prisioneiros comuns, mas para os de segurança máxima, isto é, os inimigos públicos. Eles eram condenados à morte dolorosa, geralmente por estrangulamento. Desse martírio só escapavam aqueles que, por sorte, morressem antes por causas naturais, isto é, de frio, fome ou doenças. No ano de 314 o Papa Silvestre dedicou a prisão a São Pedro em Cárcere (San Pietro in Carcere), nome da igreja que foi construída sobre aquele lúgubre local. No século XVI, a essa igreja foi sobreposta outra, denominada São José dos Carpinteiros (Chiesa di San Giuseppe dei Falegnami). A entrada dessa igreja está situada a uns quatro metros acima da rua, devido a obras realizadas na década de 30 do século XX, que baixaram o nível da praça em frente, para permitir o acesso direto ao Cárcere Mamertino.

Entrando no Cárcere Mamertino

A entrada para o Cárcere Mamertino se faz por uma escadaria que começa no atual nível da rua, exatamente sob a fachada das igrejas sobrepostas, que se aprofunda paralela à calçada, onde há quatro janelões, que à distância parecem enormes portas abertas, mas que estão protegidas por grades, para que os transeuntes não caiam no desvão.  Descendo por essa escadaria, o visitante chega a um nível profundo, onde se encontra a chamada cela superior, abafada e sem janelas. Numa das paredes está fixada imensa placa de mármore gravada com os nomes dos prisioneiros mais famosos que ali encontraram a morte dolorosa. Ao lado do nome, consta a causa mortis e o ano da execução. Uns eram decapitados, outros estrangulados, outros morriam “de fome”, e assim por diante. A cela inferior da masmorra era alcançada através de um buraco no chão, em que colocavam uma escada de madeira para a descida dos prisioneiros, de onde somente sairiam, ou mortos, ou para serem executados. Dizia-se, já naqueles tempos remotos, que aquela escada de madeira era uma descida para os infernos. Atualmente há uma escada de pedra num canto que foi aberto para que os visitantes possam descer sem maiores riscos. Esse plano inferior da prisão, úmido, está ligado ao principal esgoto da cidade, que se chamava Cloaca Máxima. Às vezes, quando o prisioneiro era executado naquele local, costumavam jogar o corpo ao esgoto, ali ao lado.
Há uma fonte no chão. Como a iluminação local era fraca, não conseguíamos ver o interior do buraco. Rubens Faria Gonçalves testou-o com uma das mãos... e encontrou a água. Segundo a lenda, quando São Pedro estava ali aprisionado, fez brotar aquela fonte, que antes não existia, e com a sua água batizou 42 outros prisioneiros, e também os dois guardas do cárcere, que se chamavam Processo e Martiniano. Esses guardas foram igualmente condenados e supliciados. Outro milagre atribuído a São Pedro teria ocorrido no momento que ele descia pela escada de madeira para aquela escuridão, quando foi brutalmente empurrado por um dos guardas contra a parede. Quando o santo bateu o rosto no obstáculo de pedra, esta teria amolecido, e parte do seu rosto ficou ali impresso. Segundo a tradição cristã, houve mais um milagre por São Pedro: as correntes que o prendiam, soltaram-se e caíram ao chão. Essas correntes estão expostas numa das mais importantes igrejas de Roma, que se chama Igreja de São Pedro Acorrentado (Chiesa di San Pietro ai Vincoli).
Nesse piso mais profundo há um altar, o que faz do cárcere uma capela. A cruz desse altar está invertida, alusão a São Pedro, que saiu dali para ser crucificado de ponta-cabeça. Ao lado do altar existe uma coluna onde, segundo a lenda, estiveram acorrentados Pedro e Paulo. Não resta dúvida de que a visão daquela cruz invertida causa grande impressão às pessoas que visitam o pavoroso calabouço.
Saímos daquele espaço abafado e escuro. Subimos ao piso superior da masmorra e dali outros degraus nos levaram para o nível da rua. Encontramos a paisagem ensolarada, e uma brisa reconfortante nos trouxe de volta à Roma atual. Partimos para novos passeios, porém com o pensamento ainda aprisionado ao lugar horrendo que acabáramos de visitar.

Legendas originais: Foto 1 - Igreja São José dos Carpinteiros. Ao nível da rua está a entrada para o Cárcere Mamertino. Foto 2 - Cárcere Mamertino, antiga ilustração encontrada na internet. Foto 3 - Placa de mármore no piso superior da masmorra, com os nomes de alguns condenados, causa mortis e data da execução. Foto 4 - Altar no piso inferior, com cruz invertida. O círculo no chão, à esquerda, é a fonte de São Pedro.

-o-

3 comentários:

  1. Estou escrevendo um livro que inicia-se no Cárcere Mamertinum, como quando la estive não pude conhecer a parte interna pois a atração estava fechada, solicito poder utilizar a reportagem contida em seu blog, farei a citação no livro, desde de ja grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro José Carlos dos Santos, somente agora estou encontrando o seu recado aqui no meu blog. Mas já tive o prazer de conversar com o amigo através de e-mail no mês passado, e confirmo a autorização para que use as minhas impressões no seu livro. Desejo-lhe muito sucesso no seu projeto. Um abraço.

      Excluir
    2. Caro José Carlos dos Santos, somente agora estou encontrando o seu recado aqui no meu blog. Mas já tive o prazer de conversar com o amigo através de e-mail no mês passado, e confirmo a autorização para que use as minhas impressões no seu livro. Desejo-lhe muito sucesso no seu projeto. Um abraço.

      Excluir